Estação Cultura / Foto: Ferraresso

CCBB realiza mostra de cinema egípcio contemporâneo

Evento começa nesta quarta-feira (29), e segue até o próximo dia 23 de agosto

Cinema
29/07/2020
Foto: Divulgação | Filme "O Elefante Azul 2"

Pela primeira vez, o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) realiza a Mostra de Cinema Egípcio Contemporâneo de forma totalmente on-line e gratuita. A edição acontece de 29 de julho a 23 de agosto, no site do evento. O projeto é patrocinado pelo Banco do Brasil, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Neste ano, a mostra apresenta uma seleção de 24 títulos feita pelo produtor e curador Amro Saad, egípcio naturalizado brasileiro. São obras realizadas entre 2011 e 2019 que revelam a nova geração de cineastas egípcios em documentários e ficções de diversos gêneros, da comédia ao terror.

As produções vão desde premiados sucessos comerciais a filmes experimentais independentes que abordam temas antes pouco debatidos, de forma direta ou através de metáforas. Além da exibição diária dos filmes, serão realizados workshop, palestra e debate com diretores.

A sessão especial de abertura acontece nesta quarta-feira (29), a partir das 19h, com o documentário “Para onde foi Ramsés?”. Na ocasião, terá um debate com o curador e o diretor Amr Bayoumi, e um show da banda Mazaher, que fez a música do filme. Tudo transmitido diretamente do Cairo.

Para acompanhar a programação completa da mostra, basta fazer um cadastro com o número do CPF. Todos os dias serão exibidos dois filmes. Cada filme passa duas vezes, em horários e dias diferentes. Serão realizadas sessões inclusivas (com legenda descritiva ou audiodescrição) e a apresentação da abertura terá tradução para Libras.

Destaques da edição

Entre os destaques da mostra estão o filme de terror “O elefante azul 2” (2019), de Marwan Hamed. O longa é o maior sucesso de bilheteria da história do cinema egípcio. Além disso, será exibido o documentário “Joana d’Arc Egípcia” (2016), de Iman Kamel, que discute as experiências das mulheres egípcias após a revolução de janeiro de 2011.

A programação também inclui a comédia “Como um palito de fósforo” (2014), de Hussein Al Imam, que homenageia as grandes estrelas da Era de Ouro do cinema egípcio. E o filme “Eu tenho uma foto” (2017), documentário de Mohamed Zedan que conta a história do cinema egípcio através da trajetória de Motawe Eweis. Ele foi um figurante que trabalhou em cerca de mil filmes, desde os anos 40 até hoje.

Para uma imersão completa no Egito, o público poderá fazer uma visita virtual 360º na exposição sobre o Egito Antigo, realizada pelo Centro Cultural Banco do Brasil. É só visitar o site.

ir para o topo

Enviar